Testar lentes M42

As len­tes de ros­ca M42 foram uti­li­za­das por diver­sas mar­cas de máqui­nas foto­grá­fi­cas des­de a sua cri­a­ção, em 1949, pela Zeiss Contax. Alguns dos mai­o­res fabri­can­tes de câma­ras e len­tes uti­li­za­ram este for­ma­to, em alguns casos até mea­dos dos anos 80. Fabricantes como a Praktica, Fujica, Olympus, Pentax, Yashica ou Zenit são alguns dos exem­plos de fabri­can­tes de máqui­nas foto­grá­fi­cas que apos­ta­ram nes­te for­ma­to para os seus mode­los manu­ais de equi­pa­men­tos.

Fruto da aqui­si­ção de algu­mas des­sas máqui­nas e pelo bai­xo cus­to que repre­sen­ta o inves­ti­men­to nes­tas len­tes, aca­bei jun­tan­do uma peque­na colec­ção que resol­vi ago­ra ava­li­ar de uma for­ma mais sis­te­má­ti­ca. Assim, resol­vi tes­tar as seguin­tes len­tes:

  • Carenar 35mm 2.8
  • Carl Zeiss Jenna Tessar 50mm 2.8
  • Pentacon 50mm 1.8
  • Yashinon DS 50mm 1.9
  • Yashinon DX 50mm 2
  • Helios 135mm 2.8

Não incluí nes­te tes­te as len­tes Vivitar 28mm f2.8 e uma outra ver­são da Pentacon 50mm.

Embora estas len­tes sejam exce­len­tes para uti­li­zar em câma­ras mir­ror­less (sem espe­lho) atra­vés de recur­so a um adap­ta­dor, repre­sen­tan­do o melhor inves­ti­men­to em ter­mos de rela­ção qualidade/preço para aqui­si­ção de len­tes pri­me para esses equi­pa­men­tos, nes­te caso con­cre­to os tes­tes foram con­du­zi­dos com a Nikon D3300.

Fotografei o mes­mo objec­to com todas as len­tes com as mes­mas con­di­ções de ilu­mi­na­ção e em toda a sua gama de aber­tu­ras, com­pen­san­do a velo­ci­da­de para obter a expo­si­ção cor­rec­ta. Depois de ana­li­sa­das as fotos tira­das com cada len­te, esco­lhi aque­la com a aber­tu­ra com que obti­ve melho­res resul­ta­dos. Finalmente, por uma ques­tão de esté­ti­ca ape­nas, fiz enqua­dra­men­tos vari­a­dos para demons­trar o resul­ta­do final.

Eis os resul­ta­dos:

Não foi fei­ta qual­quer cor­rec­ção de cor nem con­tro­lo de niti­dez. À par­te de um ligei­ro aumen­to de con­tras­te comum a todas as ima­gens e o res­pec­ti­vo recor­te, não foi fei­ta qual­quer edi­ção. Todas as fotos tira­das a ISO400.

Destes tes­tes, reti­ro as seguin­tes con­clu­sões:

  • Na sua melhor aber­tu­ra, todas as len­tes obtém resul­ta­dos no míni­mo satis­fa­tó­ri­os.
  • A Yashinon DS 50mm 1.9 é a úni­ca cuja aber­ra­ção cro­má­ti­ca está abai­xo dos míni­mos acei­tá­veis
  • A Yashinon DX 50mm 2 foi a len­te que obte­ve melho­res resul­ta­dos ao lon­go do mai­or núme­ro de aber­tu­ras, não haven­do dife­ren­ças apa­ren­tes entre f/2.8 e f/8
  • A len­te com mai­or niti­dez apa­ren­ta ser a Pentacon, embo­ra tratando-se todas elas de len­tes com foca­gem manu­al, esta aná­li­se pode ser dema­si­a­do sub­jec­ti­va.
  • Todas as len­tes cum­prem com as expec­ta­ti­vas cri­a­das.

Nota: O apa­ren­te des­vio de cor nos ver­des da Helios tem a ver com o fac­to de o objec­to e as fon­tes de ilu­mi­na­ção se encon­tra­rem mais pró­xi­mos da pare­de de fun­do, uma vez que, tratando-se de uma tele, a dis­tân­cia entre a máqui­na e a flor teve que ser aumen­ta­da. Pela cor da flor, estan­do esta a uma dis­tân­cia cons­tan­te da ilu­mi­na­ção, facil­men­te se per­ce­be que a dife­ren­ça tem a ver com o fac­to do fun­do estar a ser mais ilu­mi­na­do e não devi­do a qual­quer defei­to da len­te.

Como con­clu­são, parece-me óbvio e bas­tan­te moti­va­dor que estas len­tes con­ti­nu­em a ser um exce­len­te inves­ti­men­to para fazer foto­gra­fia de qua­li­da­de, repre­sen­tan­do uma frac­ção dos cus­tos que repre­sen­ta­ria o inves­ti­men­to em len­tes actu­ais de qua­li­da­de equi­pa­ra­da. Nenhuma des­tas len­tes me cus­tou mais que 20 euros enquan­to as len­tes pri­me actu­ais mais bara­tas são ven­di­das por cer­ca de 150 euros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *